Quarta, 21 Fevereiro 2018 16:04

Barbara Bradley Moreira, de 29 anos, juntou o útil ao agradável e abriu sua própria loja online de roupas infantis, a MC Kids, com peças mais modernas

 

Pensando em uma renda extra no final do mês, Barbara Bradley Moreira começou a pesquisar algo que pudesse te ajudar a conquistar um dinheiro a mais. Com isso, a radialista de 29 anos decidiu juntar o útil ao agradável: ela abriu uma loja de roupas infantis, uma paixão que surgiu em sua vida depois que teve sua primeira filha, Maria Clara, hoje com 1 ano e 5 meses.

 

Depois de ter sua primeira filha, Barbara Bradley Moreira se apaixonou e abriu uma loja de roupas infantis

 

“Desde que tive minha filha, me apaixonei por isso de vesti-la de uma maneira com o maior estilo possível, criar alguns looks mais moderninhos, que fugissem do convencional para bebês”, conta ela, que agora é dona da loja de roupas infantis MC Kids , em que ela realiza vendas através do site e das redes sociais.

A radialista ainda recebe a ajuda de sua mãe, Ana Paula, que auxilia na escolha das peças, além de fazer trabalhos para o envio das mercadorias. “Espero me destacar tratando cada cliente de uma maneira extremamente pessoal, buscando facilitar a venda e entregando individualmente, no menor espaço de tempo”.

 

Mercado em crescimento

Apesar do grande número de lojas de roupas infantis, o mercado onde esse tipo de roupa vem de maneira mais “fashion” ainda é um mercado em crescimento de acordo com Barbara, o que também a ajudou na escolha.

Investimento e objetivo

O investimento inicial de Barbara para começar com sua loja foi de R$ 3200 para se tornar MEI, microempreendedora individual. Nesse caso, ela tem que faturar até R$ 81.000,00 por ano ou cerca de R$ 6.000,00 por mês e não pode ter participação em outra empresa como sócia ou titular. Além disso, ela pode ter no máximo um empregado contratado que receba um salário-mínimo ou o piso da categoria. “Como MEI, a renda anual não pode ultrapassar 81 mil reais, mas é claro que vou querer buscar mais do que isso”.

 

Vestidos da filha

Quinta, 15 Fevereiro 2018 17:10

A arrecadação do Simples Nacional acelerou o ritmo de crescimento em 2017, ao expandir 15,5%, a R$ 83,809 bilhões, em relação a 2016.

 

Esse avanço refletiu o aumento do empreendedorismo por necessidade e a lenta recuperação da economia do País.

 

Em 2016, essa receita já havia se recuperado da queda observada em 2015 (-19,7%, para R$ 56 bilhões), ao registrar elevação de 10,2%, para R$ 68,282 bilhões, de acordo com a Receita Federal do Brasil (RFB). As variações são em termos reais (com a inflação).

 

A professora de economia da Fecap, Juliana Inhasz, avalia que a expansão da arrecadação do Simples em 2016 já representava o crescimento do empreendedorismo por necessidade, como resposta ao alto desemprego no período. “A recessão foi muito severa. Muita gente que perdeu o emprego, abriu empresas e se formalizou para prestar serviços, emitir notas fiscais e, até mesmo, pedir financiamento”, ressalta Inhasz. De 2015 para 2016, o aumento da receita do Simples está relacionado, especificamente, com este movimento de recolocação no mercado por meio do trabalho autônomo.

 

A expansão da arrecadação de 2016 a 2017 também está relacionada ao lento processo de recuperação da atividade. O coordenador do MBA de Finanças e Negócios da Faculdade Fipecafi, Nilton Belz, afirma que a expectativa para este ano é de continuidade do avanço da receita do Simples, em decorrência da retomada da economia.

Segunda, 12 Fevereiro 2018 14:31

Um avião com 71 pessoas a bordo caiu em uma região próxima a Moscou, Rússia, neste domingo (11/2). Segundo agências de notícias internacionais, a aeronave, operada pela empresa Saratov Airlines, carregava 65 passageiros e seis tripulantes. Autoridades afirmam que não há sobreviventes.

 

O avião havia decolado do aeroporto Domodedovo às 11h22, horário local, em direção à cidade de Orsk. Serviços de controle de tráfego aéreo do país teriam detectado uma descida rápida cinco minutos após a decolagem. A aeronave, em seguida, teria perdido contato. Ainda não se sabe a causa do acidente.

 

Sete brigadas de resgate já se encontram no local do acidente. Sites de notícias locais informam que o governo russo teria aberto uma investigação criminal sobre o acidente. Autoridades querem apurar se houve violação das regras e operação do transporte aéreo.

O presidente da Rússia, Wladimir Putin, e o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, expressaram condolências às famílias das vítimas do acidente.

A aeronave seria um modelo Antonov An-148 com sete anos de uso.

 

 

 

 

Um avião com 71 pessoas a bordo caiu em uma região próxima a Moscou, Rússia, neste domingo (11/2). Segundo agências de notícias internacionais, a aeronave, operada pela empresa Saratov Airlines, carregava 65 passageiros e seis tripulantes. Autoridades afirmam que não há sobreviventes.

 

O avião havia decolado do aeroporto Domodedovo às 11h22, horário local, em direção à cidade de Orsk. Serviços de controle de tráfego aéreo do país teriam detectado uma descida rápida cinco minutos após a decolagem. A aeronave, em seguida, teria perdido contato. Ainda não se sabe a causa do acidente.

 

Sete brigadas de resgate já se encontram no local do acidente. Sites de notícias locais informam que o governo russo teria aberto uma investigação criminal sobre o acidente. Autoridades querem apurar se houve violação das regras e operação do transporte aéreo.

O presidente da Rússia, Wladimir Putin, e o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, expressaram condolências às famílias das vítimas do acidente.

A aeronave seria um modelo Antonov An-148 com sete anos de uso.

 

 

Fonte: Metrópoles
Quinta, 08 Fevereiro 2018 00:39

O governo brasileiro não paga sua contribuição obrigatória de US$ 13,4 milhões (cerca de R$ 43 milhões) com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e registra a terceira maior dívida entre os 193 países que fazem parte da agência internacional.

 

Os dados fazem parte dos documentos financeiros da entidade que, nos últimos anos, tem lidado de forma frequente com crises no Brasil, entre elas as dos vírus da zika e da febre amarela. O Ministério da Saúde, que representa o governo nas reuniões da OMS, confirmou a existência da dívida. Mas indicou que o pagamento é uma responsabilidade do orçamento do Ministério do Planejamento.

 

Pelas regras da OMS, uma dívida que complete dois anos impediria o governo brasileiro de votar nas decisões da entidade. Por enquanto, porém, a pendência completa um ano e a entidade oficialmente diz estar convencida de que não haverá um problema. O novo diretor-geral da OMS, o etíope Tedros Ghebreyesus, foi eleito com o apoio do Brasil para o cargo máximo.

 

Mas diplomatas estrangeiros, na condição de anonimato, apontam que uma demora no pagamento começa a causar certo constrangimento diante do papel político que o Brasil tenta ter dentro da OMS.

 

O valor da dívida brasileira se refere à contribuição obrigatória que cada país deve fazer para a entidade. No caso dos R$ 43 milhões, eles se referem aos doze meses de 2017. Tradicionalmente, os países pagam sua anuidade no início do período.

 

O governo brasileiro vem enfrentando problemas para pagar suas contribuições com as entidades internacionais desde 2015. Mas, segundo o Estado apurou, havia escolhido algumas delas para dar prioridade em função de interesses políticos. Na Organização Mundial do Comércio (OMC), por exemplo, o Brasil precisava estar em dia com suas contas para permitir que o diplomata Roberto Azevedo fosse candidato à reeleição.

 

No caso da OMS, apenas dois outros países tem uma dívida que supera a brasileira. Uma delas é a Ucrânia, que atravessou um conflito armado nos últimos anos e acumulou uma dívida de US$ 22 milhões.

 

O maior devedor, porém, é o governo dos Estados Unidos, com uma conta estimada em US$ 110 milhões. Mas se o governo americano arca com 22% das contas da OMS, o volume que o Brasil destina se refere a apenas 3,8% do orçamento da entidade.

 

No caso do Brasil, a OMS indicou que por enquanto uma suspensão do País não ocorrerá. Isso pelo fato de a dívida estar completando um ano. Na prática, o governo participará normalmente da próxima Assembleia Mundial da Saúde, marcada para maio. Para que um governo tenha seus direitos de voto suspensos, a dívida precisa ultrapassar os dois anos.

 

Hoje, quatro governos estão nessa situação, entre eles República Centro Africana e Ucrânia.

 

Orçamento

 

No Ministério do Planejamento, a explicação para o atraso é a crise orçamentária dos últimos três anos. "Os atrasos no adimplemento dos compromissos com organismos internacionais, a OMS dentre eles, decorrem da deterioração das condições orçamentárias e financeiras a partir de 2014", declarou a pasta, por meio de nota. "Tais atrasos veem afetando o conjunto dos organismos internacionais e não apenas a OMS."

 

Questionado se havia uma data para pagar a dívida, o governo optou apenas por fazer uma promessa de que isso poderia ocorrer "muito em breve".

 

"Desde 2016, os esforços promovidos pelo governo vem paulatina e continuamente reduzindo o estoque de compromissos com organismos internacionais", explicou. "A previsão de uma melhora econômica mais substantiva e continuada nos faz supor que, muito em breve, o País voltará a estar em dia com todos os seus compromissos."

Quarta, 07 Fevereiro 2018 00:16

A Comissão Mista da Medida Provisória 802/2017, que atualiza o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO), aprovou nesta terça-feira (6) o relatório do deputado Otávio Leite (PSDB-RJ).

 

O parecer foi pela aprovação da MP com algumas mudanças, como a facilitação de empréstimos de até R$ 15 mil para trabalhadores autônomos investirem em suas atividades. O programa, instituído em 2005 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tem o objetivo de incentivar a geração de trabalho e renda entre microempreendedores populares.

 

A MP também aumentou de R$ 120 mil para R$ 200 mil o limite de renda ou receita bruta anual para enquadramento de pessoas físicas e jurídicas. O presidente da comissão, senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE), explicou que o PNMPO é dirigido a pessoas desempregadas com negócio próprio ou beneficiários do Bolsa-Família. A reportagem é de Hérica Christian, da Rádio Senado.

 

 

Link para ouvir o áudio

Tapeçaria Maracanã

Programa de reconstrução capilar

 Revista Época

Anunciante Clements

© 2017 - Grupo Interativo Negócios | Jornal Sumaré | Jornal Interativo | Site Interativo

Rua Conceição, 233 - CEP 13.010-916 - Campinas/SP

Fones: (19) 3384-6388 / 99283-6239 Whatsapp

E-mail: contato@jornalsumare.com.br

 

Edições semanais com 5 mil exemplares distribuídos em 175 pontos em toda cidade,
Em supermercados, bancas de revistas e jornais e algumas empresas.