Vídeo será divulgado até o dia 30 de julho nas redes sociais e principais emissoras de rádio e TV do país

 

Começou a ser veiculada nas rádios, TVs e redes sociais uma campanha publicitária do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) destinada a incentivar maior participação feminina, dos jovens e da comunidade negra na política.

 

A iniciativa está prevista no art. 93-A da Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições), com redação dada pelo art. 1º da Lei nº 13.488/2017 (Reforma política). De acordo com a norma, o TSE deve promover, em até cinco minutos diários, contínuos ou não, em anos eleitorais, propaganda institucional em rádio e televisão destinada a incentivar maior representatividade desses segmentos na vida política brasileira. A lei estabelece também o período de 1º de abril a 30 de julho para a veiculação da campanha.

 

Independentemente da legislação, o TSE já vinha estimulado esse engajamento por meio de peças e ações que têm por objetivo incentivar a participação do cidadão e esclarecer sobre as regras e o funcionamento do sistema eleitoral. 

 

O vídeo que foi ao ar no último domingo (1º de abril) trata especificamente da questão da representatividade e tem como mote da campanha o slogan “Ninguém te representa tão bem como você”. Seu objetivo é levar o cidadão a refletir sobre a importância de se engajar politicamente, aludindo aos benefícios que a diversidade e a renovação política podem trazer ao país.

 

O filme, que pode ser acessado nos perfis do TSE no YouTube, Facebook e Twitter, tem pouco mais de um minuto de duração e afirma, de forma reflexiva, leve e descontraída, que a verdadeira democracia acontece quando todos os gêneros, raças e idades são representados na política do país.

 

Clique para assistir ao vídeo do TSE para a campanha da representatividade.

 

IC/EM

Publicado em Política

Líder do MTST vai disputar a Presidência pelo Psol

 

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, será candidato à Presidência pelo Psol. O anúncio foi feito neste sábado (3) em evento realizado em São Paulo e contou com a exibição de um vídeo do ex-presidente Lula desejando boa sorte a Boulos e agradecendo o apoio do candidato.

 

"Você sabe o quanto eu te respeito, o quanto gosto de você pessoalmente e quanto acho você uma pessoa de muito futuro na política. Jamais vou pedir para não ser candidato", disse o ex-presidente na gravação.

Boulos é próximo a Lula, e sua candidatura abre uma dissidência na esquerda, uma vez que o próprio Lula é pré-candidato ao Palácio do Planalto, mesmo após a condenação em segunda instância. "As diferenças políticas não podem significar conivência com injustiça. O judiciário retirou no tapetão o candidato mais popular. Não podemos naturalizar uma condenação imposta injustamente quando os reais ladrões estão no Congresso", disse Boulos sobre Lula, no discurso em que anunciou sua candidatura.

 

A vice de Boulos será a líder indígena e coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Sonia Guajajara. O líder do MTST deverá se filiar ao Psol nesta semana.

Publicado em Política

Senador do DEM passa o domingo de carnaval em eventos programados por evangélicos

 

O senador Ronaldo Caiado (De­mocratas) dedicou o domingo de carnaval (12) para conversar com milhares de jovens de Formosa e Iporá, acompanhado de seu suplen­te Luiz Carlos do Carmo (MDB).

Pela manhã, ele esteve no 22º Congresso da União das Mocidades El Shaday de Formosa e, à noite, no 56º encontro da União de Mocida­des das Assembleias de Deus (Uma­dego) em Iporá, no Oeste Goiano.

 

Ao discursar nos encontros, o parlamentar enalteceu a força das igrejas evangélicas no combate às drogas. “A medicina tem condições de tratar um jovem dependente. Mas não sabe como estruturar a continuidade da vida deles. E isso só as igrejas têm conseguido, com seus trabalhos sociais. Só elas con­seguem transmitir este trabalho de evangelização para que os jovens não caiam novamente na crimina­lidade e nas drogas”, destacou. O trabalho social que sonhamos fa­zer, se Deus permitir, será ao lado das igrejas para mostrar a capaci­dade de recuperação de depen­dentes químicos”, reforçou.

Segundo Ronaldo Caiado, que foi a Formosa a convite do pastor Marcivon Neres (presidente da As­sembleia de Deus–Ministério de Formosa), os jovens têm um papel importante na política. “A vocês, jo­vens, que muitas vezes são refratá­rios à política, quero dizer que graças a Deus posso estar aqui no púlpito da igreja podendo olhar nos olhos de cada porque nunca traí a confian­ça dos goianos. Vocês nunca me vi­ram envolvidos em negociatas, ban­dalheiras ou corrupção. O homem que tem espírito público age como vocês, que muitas vezes renunciam o dia a dia ao lado das famílias para evangelizar, para buscar as pessoas que já não têm expectativa e recu­perá-las da criminalidade, da droga e da depressão”, comparou.

Para ele, os jovens têm partici­pação importante nas mudanças que o País precisa promover. “Te­mos de buscar as pessoas de bem para este trabalho. Temos que bus­car os líderes jovens como vocês para amanhã também estarem nas igrejas, nas câmaras municipais, nas assembleias legislativas, no go­verno, na Presidência da Repúbli­ca. Esse é o perfil que se espera da juventude goiana”, conclamou.

 

IPORÁ

À noite o senador foi recebi­do em Iporá pelo pastor Ataul Alves Rocha, presidente das As­sembleias de Deus do Campo de Iporá, que enalteceu a trajetó­ria política do democrata. “Ro­naldo Caiado é uma autoridade que nos honra com sua presen­ça. Ele não tem nada que manche sua carreira, é um político ficha limpa. É nosso amigo e amigo do povo de Deus”, fez questão de apresentá-lo aos fiéis.

O tema do encontro, “Inego­ciáveis”, chamou a atenção do se­nador, que comentou o momento político do País. “O que está fal­tando para colocar o Brasil nos tri­lhos é que muitos deixem de nego­ciar a ética. O poder vem de Deus e é preciso que as pessoas que re­presentam o povo o façam com dignidade e honestidade, dando condições de vida melhores aos cidadãos”, afirmou.

Muitas vezes, disse o parla­mentar, os jovens são desestimu­lados de um processo político pe­los maus exemplos que assistem. Mas ele afirma que é preciso não abrir mão de seu papel de promo­ver as mudanças necessárias. “O cidadão não deve viver para o seu bem pessoal ou de sua família. Te­mos de acreditar que podemos fa­zer a diferença. Hoje posso dizer que não os decepcionei”, lembrou.

Novamente Ronaldo Caiado destacou a importância da juven­tude para a política. “Temos de abrir espaço para as pessoas de bem. Esse é o nosso desafio. Te­mos aqui líderes que estendem as mãos aos mais necessitados. Vo­cês têm o poder de transmitir a fé, a esperança e a palavra de Deus às pessoas”, sublinhou.

ANÁPOLIS

No sábado, o senador também esteve ao lado dos jovens ao percor­rer igrejas evangélicas em Anápolis. O parlamentar esteve primeiro na 46ª edição do Congresso Umada, da Igreja Assembleia de Deus Ma­dureira de Anápolis, e na sequên­cia participou do 53º Congresso da Mocidade Evangélica (Comepe), promovido pela Igreja Assembleia de Deus Ministério Anápolis.

No Congresso Umada, o sena­dor, ao lado de seu suplente Luiz Carlos do Carmo (MDB), foi re­cepcionado pelo pastor presiden­te Bertiê Magalhães. Ao discursar para os milhares de jovens presen­tes, o senador falou sobre o papel da igreja em dar esperança e pers­pectiva de vida a eles.

No Comepe, ele voltou a falar sobre este desejo de unir forças em prol dos jovens. “Tive a opor­tunidade de falar ao pastor José Clarimundo Cezar da minha ad­miração pelo trabalho social de­senvolvido pela igreja. Estamos vivendo uma época em que as dro­gas estão destruindo as famílias. Nessa hora a igreja tem papel fun­damental. Como médico sei o tra­tamento para que o usuário dei­xe as drogas, mas sinceramente é a igreja que ajuda a mantê-lo dis­tante, ao evangelizar e transmitir a fé e esperança. A união de for­ças entre Estado e igreja no com­bate às drogas! Esse é o cami­nho! Vou lutar por isso”, garantiu.

Publicado em Política

Movimentos em busca de renovação política que pipocaram nos últimos meses preparam o lançamento de ao menos 500 candidatos para as eleições de outubro, por diferentes partidos.

 

A estimativa, feita pela Folha a partir de números fornecidos pelas organizações, inclui principalmente postulantes à Câmara dos Deputados e às Assembleias Legislativas. Mas também há quem mire Senado e governos estaduais.

 

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo

 

Publicado em Política

Alckimin garantiu ter o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, apesar dos constantes elogios deste ao apresentador Luciano Huck

 

Publicado em Política

Segundo a PGR, a norma não explicita quais dados estariam na versão impressa, o que resultaria em risco para a identificação do eleitor e prejuízo à inviolabilidade do voto secreto

 

A Procuradoria-Geral da República entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o  voto impresso nas eleições de outubro. A justificativa é de que a adoção desse modelo provocaria risco à confiabilidade do sistema e o nível de segurança. Segundo o documento, a reintrodução dessa norma significa “verdadeiro retrocesso”. O relator do pedido é o ministro Luiz Fux, que assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta terça-feira (6/2). 

 

Publicado em Política
Segunda, 05 Fevereiro 2018 02:41

Aliados tentam reunir Alckmin e Temer

Interlocutores querem reaproximar o governador tucano do presidente e abrir a discussão sobre possível acerto eleitoral entre PSDB e MDB

 

Amigos em comum do presidente Michel Temer e do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, querem promover um encontro entre os dois para verificar se é possível algum tipo de acerto do MDB com o PSDB na campanha eleitoral. Aliados do Palácio do Planalto estão preocupados com o mau desempenho das candidaturas de centro e têm cada vez mais receio do lançamento de outsiders na política, como o apresentador de TV Luciano Huck.

 

O Planalto se surpreendeu com a estagnação de Alckmin na pesquisa do Datafolha, feita após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo Tribunal Regional Eleitoral da 4.ª Região a 12 anos e 1 mês de prisão. Pré-candidato do PSDB à Presidência, Alckmin tem de 6% a 11% das preferências nas pesquisas de intenção de voto.

 

O problema é que a expectativa de crescimento de outros postulantes de partidos da base aliada, como o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), continua muito baixa. Além disso, a persistente impopularidade de Temer dificulta o seu desejo de concorrer a um novo mandato.

Pesquisas que chegaram ao Planalto associam a fragilidade de Alckmin até mesmo aos escândalos protagonizados pelo senador Aécio Neves (MG), ex-presidente do PSDB. Na mira da Lava Jato, Aécio chegou a ser afastado do mandato, no ano passado, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Judiciário pode afastar parlamentar, mas a decisão passa pelo crivo do Legislativo. O Senado acabou devolvendo o mandato para Aécio. O governador paulista também é alvo de investigações.

No Palácio dos Bandeirantes, porém, auxiliares de Alckmin dizem que a aliança do PSDB com o MDB de Temer foi tóxica para o tucano e está contaminando sua campanha.

Alckmin tenta agora fisgar partidos que hoje estão na coalizão governista, como o DEM. Seu plano é ter um vice do partido, como o atual ministro da Educação, Mendonça Filho, e apoiar a reeleição de Maia ao comando da Câmara, em 2019. O pacote também incluiria a adesão do PSDB a palanques do DEM em outros Estados, como Rio e Bahia.

Pacto. De olho nesses movimentos, interlocutores de Temer procuram reaproximá-lo de Alckmin. Recorrem até mesmo ao argumento de que, enquanto os dois se estranham, Luciano Huck vai ganhando espaço e tende a entrar na disputa, roubando votos dos candidatos de centro. Para correligionários do presidente, mesmo que não haja uma aliança nacional entre o PSDB e o MDB, os dois partidos podem firmar composições regionais e até um pacto de não agressão.

“O Geraldo e o Michel precisam conversar e eu sou um dos que estão tentando organizar esse encontro”, afirmou o deputado Beto Mansur (PRB-SP), vice-líder do governo na Câmara. “Depois daquela estranheza que houve na questão das denúncias, é bom aparar as arestas”, emendou ele.

Mansur se referia ao fato de Alckmin não ter ajudado Temer a conquistar votos da bancada do PSDB para derrubar as duas denúncias apresentadas contra ele na Câmara pela Procuradoria-Geral da República, no ano passado. “Ficou um mal-estar”, resumiu o deputado. O distanciamento aumentou com a saída do PSDB da base aliada.

Defensor da unidade do centro político, o chanceler Aloysio Nunes Ferreira – único ministro tucano que permaneceu na equipe após o desembarque do partido – procura reconstruir as pontes entre o Planalto e o Bandeirantes.

“O caminho do PSDB está traçado, não importa quem entre ou saia. Seguiremos em frente, com a certeza de que iremos para o segundo turno. O que as pesquisas de hoje indicam é que a sociedade está pouquíssimo interessada na política”, afirmou o deputado Silvio Torres (PSDB-SP), tesoureiro da legenda e amigo de Alckmin.

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que o Executivo trabalha para que os partidos aliados caminhem juntos na eleição presidencial. Admitiu, porém, as dificuldades para esse acordo. Na sua avaliação, se Temer não quiser entrar na briga por um novo mandato, o aval a Alckmin não está descartado. “Mesmo o PSDB não sendo organicamente da base, tem um discurso reformista”, insistiu o ministro.

Marun disse, no entanto, que todas essas articulações passam pela aprovação da reforma da Previdência na Câmara. O Planalto espera o respaldo dos tucanos na votação, que deve ocorrer neste mês, caso a proposta não seja retirada da pauta por falta de apoio. “No nosso cronograma político, Previdência vem antes de Presidência”, comentou Marun.

Publicado em Política

Tapeçaria Maracanã

Programa de reconstrução capilar

 Revista Época

Anunciante Clements

© 2017 - Grupo Interativo Negócios | Jornal Sumaré | Jornal Interativo | Site Interativo

Rua Conceição, 233 - CEP 13.010-916 - Campinas/SP

Fones: (19) 3384-6388 / 99283-6239 Whatsapp

E-mail: contato@jornalsumare.com.br

 

Edições semanais com 5 mil exemplares distribuídos em 175 pontos em toda cidade,
Em supermercados, bancas de revistas e jornais e algumas empresas.